quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Os arroubos (ou não) da terapia


A terapia pode ser um momento mágico da sua existência. Eu disse PODE e essa palavra já nos dá uma idéia de possibilidade e não de conclusão. A idéia de um desconhecido, que não irá julgá-lo, ouvindo todos os seus podres e sentimentos mais intimos é ótima. Ótima e cara. Mas o custo-benefício... Ah, esse compensa. Fiz por algum tempo, em terapeutas diferentes e em abordagens diferentes. Foi um experiência boa, não tenho do que reclamar. Uma experiênica boa que teve seus momentos ruins.
Se você nunca fez, precisa saber de algumas coisas sobre ela.
A psicoterapia não é coisa para loucos
A psicoterapia serve para muitas coisas. Timidez, baixa auto-estima, dependência química, problemas de relacionamento, ciumes, depressão, fobias, pessoas que desejam se conhecerem melhor... Se quem estiver nesse grupo for louco, todos nós somos.
Terapeuta não é psiquiatra
O terapeuta é um psicólogo, um cara formado em psicologia com uma especialização na abordagem terapêutica escolhida por ele. Um psiquiatra é um MÉDICO, com especialização em psiquiatria. O psiquiatra atende casos bem mais sérios e, dependendo do caso, preescreve medicamentos.
Antes de inicar um processo terapêutico você precisa escolher uma abordagem
A abordagem terepêutica nos diz como o processo irá ocorrer. Entre as mais utilizadas no Brasil estão a cognitivo-comportamental (na qual os seus pensamentos influenciam nas suas ações e o terapeuta se concentra em sua vida hoje) e a psicanalítica (abordagem que procura a origem de alguns problemas no inconsciente e em fatos do passado, principalmente na infância) e tantas outras menos populares como a Bioenergética (de base psicanalítica, mas focada em exercícios físicos, principalmente de respiração).
O terapeuta não é seu amigo
Não adianta. Ele está ali com um intuito: tratar/analisar você. Não adianta querer sair com ele para farra. Se ele for um bom profissional, manterá distância da sua vida fora do consultório. Uma relação íntima infuencia no tratamento, logo, deve ser descartada. Você só fala de tudo sem se preocupar justamente pelo fato dele estar alheio às situações descritas no consultório. Se ele fosse seu amigo e vivesse com você o tempo todo, por ter medo do seu julgamento, você não contaria tudo. Então não insista para ele aparecer na sua festa de aniversário ou formatura. Deixe-o para a terapia!
Elas podem custar muito caro
Dependendo da abordagem, elas custam, no mínimo, R$ 50 por sessão. Mas eu disse "no mínimo". E você precisa de pelo menos 4 sessões por mês. Mas não se preocupe, há em faculdades as chamadas clínicas-escolas onde a sessão sai por R$10, R$20.
Você pode ver resultado logo ou não
Um dia você sai de lá em extase achando que finalmente descobriu o problema que aflige sua vida. Noutro você sai com a sensação de dinheiro perdido e pensando quanta coisa você poderia ter feito com aquela grana toda. Um dia você acha que foi a melhor coisa que você fez na vida. No outro, que foram 45 minutos perdidos.
Prepare-se: Você pode querer chorar
Os consultórios podem ser diferentes. Uns mais claros, outros mais escuros, uns espaçosos, outros pequenos... Mas duas coisas não faltam em nenhum: um relógio, para você e seu terapeuta terem uma idéia do tempo que estão ali, e lenços de papel.
Você entra senhor(a) de si e de repente ouve uma pergunta qualquer (sobre seus pais, amigos, relações amorosas). Você vai responder e quando percebe está chorando como um bebê e as palavras não saem. Parabéns! Não precisa dizer mais muita coisa. Seu terapeuta já entendeu a mensagem.
O tratamento pode durar bastante tempo
Eles duram quase sempre 2 anos. Mas alguns podem passar desse tempo. Entãoprepare bolso e paciência.
Haverá dias que você vai pedir uma sessão e dias que você vai querer que elas não existam.
Falar de si é uma coisa muito boa. Imagine agora que alguém vai te ouvir por 45 minutos com extrema atenção como se você fosse a pessoa mais importante do mundo. Isso é ótimo! Um dia irá acontecer algo (bom ou ruim) que fará você ficar ansioso para encontrá-lo e dizê-lo. Mas em outros você vai querer ver o demônio em pessoa e não seu terapeuta.
Sim, mesmo assim ela é boa
Haverá enormes contra-tempos que forçarão você a desistir dela, mas a terapia pode ser um divisor de águas na sua vida. Nela, você pode aprender muito sobre você mesmo e sobre quem o cerca. Porém, vale uma dica: o terapeuta não dira o que você deve fazer ou o que é o melhor para você, nem responderá suas dúvidas, porém ele irá conduzi-lo no caminho rumo as respostas que (por mais clichê que isto pareça) estão dentro de você.

Vale o risco!

2 comentários:

Mônica disse...

Haja paciência. Paciência que eu não tive nenhum pouquinho. Já tentei duas vezes e nada deu certo. Mesmo sendo de graça, mesmo sendo aquela coisa de que eu não teria de gastar um centavinho. Não deu certo.
Então, eu voltei pra casa e fui escrever e desenhar...
Fia, salva o meu blog ae no teu blog, poza vida. fico querendo saber o que você das coisas que eu escrevo ou não no blog e vc nem sinal de fumaça ô.O
http://prasefalar.blogspot.com
Adorei o texto, sempre muito escrito!
Parabes! Ah, quando vc virar escritora de algum jornal ou revista importante, lembre-se de que eu sempre li o seu blog e me mande um exemplar, viu? :P

Anne disse...

Amigos são terapeutas parciais...